Flora do Manguezal
Close

Not a member yet? Register now and get started.

lock and key

Sign in to your account.

Account Login

Forgot your password?

Flora do Manguezal

Os manguezais são encontrados ao longo de todo o litoral, sendo constituídos pelas principais espécies de mangue:


 


Rhizophora mangle (mangue vermelho)


Laguncularia racemosa (mangue branco)


Avicennia sp (mangue preto, canoé)


Conocarpus erectus  (mangue de botão)


 


A espécie Laguncularia racemosa merece destaque por ser a única espécie típica de mangue encontrada no Arquipélago de Fernando Noronha, no único manguezal na Baía do Sueste.


 


O mangue é uma formação vegetal composta de arbustos e espécies arbóreas que ocorrem em áreas de lagunas e restingas ao longo de todo o litoral. Nessa formação vegetal predominam troncos finos e raízes aéreas e respiratórias (ou raízes-escora), adaptadas à salinidade e a solos pouco oxigenados.

 



Algumas espécies chegam a 20 metros de altura. Uma árvore de mangue leva cerca de cinco anos para crescer e reproduzir. Além destas espécies, existem grupos de plantas que ocorrem, principalmente às margens ou na borda interior dos manguezais.


As samambaias, por exemplo, não são espécies exclusivas de mangue, mas são tolerantes aos diferentes teores de salinidade que ali existem.


As Bromeliáceas, Orquidáceas e os líquens também estão presentes, porém são epífitas que vivem sobre as árvores de mangue, sem utilizar os nutrientes das árvores hospedeiras.


 


Por ser rico em matéria orgânica, tem papel muito importante na reprodução e no abrigo de espécies da fauna marinha. Tradicionalmente, no mangue se realiza, como atividade econômica, a pesca de caranguejo, mas o mangue vem sofrendo a ação destrutiva do turismo predatório, da ocupação imobiliária e da poluição provocada por esgotos.


 


Raízes aéreas: possibilitam às árvores obterem O2 devido a baixa concentração deste no ambiente.


 


No mangue preto e no mangue branco, as raízes, chamadas pneumatóforas, ficam com uma parte da raiz fora do solo, de forma que, durante as marés cheias, as extremidades da raízes ficam expostas ao ar, para conseguir o oxigênio que não encontram na água.


 


No mangue vermelho as lenticelas do caule principal, permitem as trocas gasosas. Esta adaptação é fundamental para evitar assoreamentos e erosões.

Share and Enjoy:
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks

Comente este artigo