Fernando de Noronha
Close

Not a member yet? Register now and get started.

lock and key

Sign in to your account.

Account Login

Forgot your password?

Fernando de Noronha


Fernando de Noronha é um arquipélago vulcânico isolado no Atlântico Equatorial Sul, sendo sua ilha principal a parte visível de uma cadeia de montanhas submersas (DORSAL MEDIANA DO ATLÂNTICO), situada nas coordenadas geográficas 03 51´ sul e 32 25´ oeste e distando aproximadamente 345 km do cabo de São Roque no estado do Rio Grande do Norte e 545 km de Recife, em Pernambuco.

 

Constituído por 21 ilhas, ilhotas e rochedos de natureza vulcânica, tem a ilha principal uma área de 18,4 km2 cujo maior eixo com cerca de 10 km, largura máxima de 3,5 km e perímetro de 60 km. A base dessa enorme formação vulcânica está a mais de 4.000 metros de profundidade. A ilha principal, cujo nome é o mesmo do arquipélago, constitui 91% da área total, destacando-se ainda as ilhas Rata, Sela Gineta, Cabeluda, São José e as ilhotas do Leão e da Viúva. Estudos realizados demonstram que a formação do arquipélago data de dois a doze milhões de anos.

 

Clima

O clima é tropical, com duas estações bem definidas: uma chuvosa, de janeiro a agosto, e uma seca no restante do ano. As maiores pluviosidades ocorrem de março a julho, com valores que podem atingir 193,5 mm em 24 horas. Os meses mais chuvosos são os de março e abril. O mês de outubro registra valores mínimos, onde a máxima precipitação em 24 horas não ultrapassa 9,0 mm. A temperatura média é de 25º C, com amplitude de 4,1º C, sendo os meses de janeiro, fevereiro e março os mais quentes. A umidade relativa do ar está em torno de 81,5 %, com pouca variação, em face das características da ilha. A insolação média anual é de 3.215 horas, com máxima em novembro e mínima em abril.

 

Vegetação Terrestre

A vegetação terrestre do arquipélago é bastante rasteira e arbustiva e composta de poucas espécies arbóreas, destacando-se representantes das famílias Nyctaginaceae, Bignoniaceae, Anacardiaceae, Rubiaceae e Euphorbiaceae.

Existe uma grande quantidade de espécies arbustivas e herbáceas, principalmente invasoras. Dentre os arbustos, destacam-se o feijão bravo, Capparis cynophallophora e a burra leiteira, Sapium scleratum (endêmica), que produz um látex cáustico, capaz de provocar queimaduras graves no homem e nos animais. Entre as herbáceas, destacam-se as jitiranas Ipomea spp e Merremia spp., que são trepadeiras daninhas. Além dessas, foram introduzidas algumas árvores frutíferas como o mamoeiro, cajueiro, bananeira, tamarineiro, cajazeiro, goiabeira, gravioleira … etc.

 

Várias espécies ornamentais também foram introduzidas, como a amendoeira Terminalia catappa, o flamboyant Tebebuia impectiginosa, caraiba e serratifolia, o jasmim manga Plumeria alba, o eucalipto, o coqueiro de praia, em pequena quantidade, e a carnaúba Copernica prunifera, representada por raros exemplares.

 

Vegetação Marinha 
Se comparada à costa brasileira, a flora marinha de Fernando de Noronha não apresenta riqueza e diversidade de espécies. Este fato ressalta a peculiaridade do ecossistema marinho do arquipélago, onde poucas espécies conseguem adaptar-se. Talvez isto se deva à ausência de nutrientes básicos ao crescimento destas algas, já que correntes quentes empobrecidas de matéria orgânica sejam características de Fernando de Noronha.

 

Fauna Terrestre

A exemplo do que ocorre em outros sistemas insulares oceânicos, a fauna terrestre do Arquipélago de Fernando de Noronha mostra uma avifauna exuberante, muito mais rica do que grupos de vertebrados, tais como: anfíbios, répteis e mamíferos, representados por poucas espécies.


O arquipélago abriga as maiores colônias reprodutoras de aves entre as ilhas oceânicas do Atlântico Sul Tropical.

 

Dentre as espécies, destacam-se a viuvinha Anus minutis, que constrói os ninhos utilizando algas coletadas na superfície d´água, localizado-os sobre as árvores e escarpas da ilha principal e ilhas secundárias; a viuvinha grande Anus stolidus; o trinta-réis-de-manto-negro Sterna fuscata; a viuvinha branca Gygis alba, ave totalmente branca que põe seus ovos nas forquilhas dos galhos das árvores; os mumbebos Sula dactylatra, mumbebos marrons Sula leucogaster, mumbebos-de-patas-vermelhas Sula sula; a catraia Fragata magnificans; o rabo-de-junco de bico vermelho Phaethon aethereus (ambos caracterizados por apresentarem as penas do rabo extremamente longas).

 

Nas matas, há algumas espécies terrestres; é o caso do sebito Vireo gracilirostis; a cocoruta Elainia spectabilis e a pomba avoante Zenaida auriculata noronha. Com relação aos répteis, há duas espécies de tartarugas: aruanã ou tartaruga verde Chelonia mydas, que utiliza o arquipélago como zona de reprodução e alimentação (herbívora) e indivíduos jovens de Eretmochelys imbricata que utilizam o arquipélago como zona de alimentação e crescimento. Existem ainda duas espécies de lagartos: mabuia Mabuya maculata (endêmica) e o teju Tupinambis teguxim, que foi introduzido para se alimentar de ratos, mas prefere outras presas como ovos e filhotes de aves e tartarugas.

 

Fauna Marinha 
O Arquipélago de Fernando de Noronha reúne sítios ecológicos específicos para uma fauna marinha exuberante, devido a sua posição geográfica distante do continente e bem no curso da Corrente Sul Equatorial, bem como quanto à natureza dos seus ambientes, fato comprovado em diversos trabalhos de pesquisa. Vários estudos ao longo dos anos levantaram as ocorrências de moluscos (168 famílias) , crustáceos (72 espécies), além de grande quantidade de peixes ornamentais residentes e cardumes migratórios sazonais.

 

Preservação do Meio Ambiente 
Parque Nacional Marinho desde 1988, abrangendo aproximadamente 70% da área total do arquipélago e administrado pelo IBAMA, foi criado com o objetivo de preservar o ambiente marinho e terrestre. Neste sentido, projetos de pesquisa vem sendo desenvolvidos, tais como: levantamento das espécies de aves marinhas terrestres e migratórias; estudo sobre comportamento e reprodução do GOLFINHO ROTADOR stenella longirostris; ecologia e reprodução dos crustáceos do supra, médio e infra-litoral; pesquisa sobre tubarões; PROJETO TAMAR (tartarugas marinhas). Estes temas são apresentados aos turistas todas as noites no centro de visitantes do projeto, próximo à sede do IBAMA.

 


 Golfinho rotador (Stenella Longirostris)


Fernando de Noronha hoje é exemplo de preservação ambiental, em convívio direto com a atividade turística, esta de pequena escala, limitada a infra-estrutura existente. Ações permanentes executadas por ONG´S e Fundações, contribuem para o aprimoramento da política de conservação.

Share and Enjoy:
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks

Comente este artigo